América Móvil investe no Wi-Fi para suporte à rede móvel nos Jogos Olímpicos

Como esperado, é grande o volume de tráfego de dados nas redes móveis durante os Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro. Segundo dados divulgados pela Anatel nesta semana, somente durante a cerimônia de abertura houve um total de 1,4 Tb trafegado. A tendência é corroborada pela América Móvil Brasil, patrocinadora oficial dos serviços de telecomunicações do evento esportivo. Até por isso, a companhia investiu na infraestrutura de Wi-Fi para dar suporte à rede móvel, com acessos gratuitos até para quem não é cliente da Claro, Embratel ou Net em determinadas localidades.

A rede Wi-Fi da companhia conta com oito mil hotspots com as tecnologias 802.11 n e ac (de agregação de portadora, que permite maior capacidade), utilizando a mesma tecnologia presente no Super Bowl, a final do futebol norte-americano. Segundo conta o diretor de marketing para o mercado residencial e combos da América Móvil, Márcio Carvalho, a conexão tem tido bom desempenho. Tanto que a torcida nas arenas e locais de competição acompanha por streaming outras modalidades ou jogos. “O Wi-Fi é sempre de alto risco, já que é espectro não licenciado e pode ter qualquer coisa (interferindo), mas eu tenho acompanhado direto, na transmissão, e a gente tem visto pessoas se conectando nessas redes para assistir outros jogos”, comemora.

Carvalho afirma que, por conta das características de eventos simultâneos na Olimpíadas, o consumo de vídeos em dispositivos móveis nas arenas tem potencial maior. “Exatamente porque cada pessoa está pegando streaming de até 5 Mbps, então é mais capacidade”, diz, explicando que a empresa precisou trabalhar para fazer dimensionamento da rede, com a cobertura móvel e Wi-Fi.

A infraestrutura Wi-Fi amplia ainda a cobertura de rede móvel, que foi contou com 97 novas estações radiobase 3G e 4G para o evento. Toda a gestão de rede está ocorrendo no centro operacional de tecnologia (TOC) com cerca de 3 mil profissionais da empresa, sendo metade de forma dedicada. A Claro utiliza a faixa de 2,5 GHz para o LTE, mas, segundo Márcio Carvalho, não há problema com os atletas estrangeiros. “O tráfego de roaming está bem intenso.”

Ao final do evento, a América Móvil deverá liberar um balanço do tráfego durante o período. Carvalho antecipa, entretanto, que os resultados são positivos para a operadora. “Realmente a demanda está muito forte, com audiência dos canais (de TV) subindo, a demanda por rede e conectividade também, mas estamos conseguindo atender tudo e deixando o pessoal feliz”, conta.   Ele confirma que a cerimônia de abertura apresentou pico do tráfego (e a reprise atualmente está entre os 100 conteúdos mais vistos no vídeo on-demand do Now, da Net), mas a soma dos eventos acaba sendo forte também. “Está realmente funcionando, não vimos absolutamente nada (de reclamação), a piscina ficou verde, mas em telecom não ocorreu nada”, brinca, comparando com o problema no parque aquático onde ocorrem provas de saltos ornamentais.

Sinal gratuito

Torcedores presentes no Rio de Janeiro durante os Jogos Olímpicos podem ter acesso à conectividade Wi-Fi da Claro, Embratel e Net de graça por até 4 horas, segundo informou a empresa nesta sexta-feira, 12. Os pontos de acesso nos principais parques de competição terão hotspots das empresas do grupo América Móvil Brasil, que dá acesso liberado após preenchimento de cadastro no site (são solicitados dados como nome e documento de identificação). A rede gratuita tem o nome (SSID) de #Free-NETClaro.

Dentro das arenas e em alguns pontos estratégicos da cidade haverá a possibilidade ainda do acesso por meio da rede #NET-WIFI. Ele será oferecido de graça por até 30 minutos, mediante cadastro, para qualquer usuário. Há a possibilidade de contratação de pacotes adicionais por R$ 4,90 com pagamento via cartão de crédito.

A empresa fornece ainda a conectividade na nova Linha 4 de metrô na capital fluminense. As empresas disponibilizam o acesso por meio dos SSIDs #NET-WIFI e #CLARO-WI-FI para clientes da Net e Claro durante toda a extensão do metrô. Márcio Carvalho explica que o sinal é mais forte nas estações, “até pela infraestrutura disponível”, mas que “está funcionando bem”.

As redes estarão disponíveis também em arenas e outros pontos da cidade. Para clientes da Claro com smartphones compatíveis com a tecnologia de login EAP-SIM, a conexão é feita automaticamente. Para cliente da banda larga da Net, é necessário usar login e senha já cadastrados no site da operadora, no serviço “Minha Net”. Caso ainda não tenha, o usuário da empresa poderá realizar o cadastro na hora, tendo em mãos dados da assinatura, como código do contrato da Net e CPF do titular.

Fonte: Tela Viva