Conheça a tecnologia NDI

O que é NDI?
NDI é uma tecnologia que possibilita a transmissão e recepção de sinais de video HD em múltiplos canais via rede LAN gigabit.
Foi criada pela Newtek e disponibilizada como “Open Source” para a comunidade broadcast.
Com o emprego do NDI é perfeitamente possível utilizar diversos tipos de fonte de video como cameras, playouts e switchers disponíveis na rede interna em equipamentos compatíveis com a tecnologia.

Quais as novas possibilidades com o emprego da tecnologia NDI?

Receber múltiplas entradas de vídeo disponíveis na rede local incluindo cameras, telas de Desktop de computadores e suas infinitas possibilidades, exibidores de vídeo, editores de vídeo emuito mais, como se fossem entradas tradicionais de vídeo como SDI ou HDMI.
Interfaces de audio como ASIO USB ou placas de aúdio também podem ser compartilhadas via rede.
Toda a linha de equipamentos produzidos pela Videomart empregam esta tecnologia de forma pioneira no Brasil.
Com a tcnologia NDI é possível ter um TV-Switcher ou TVPLAY-MASTER entradas NDI como cameras, TVLINK ou TVPLAY de qualquer modelo.

O NDI funciona em uma rede WIFI?
Como regra base é recomendado um fluxo de 100 Mbit para cada canal de vídeo HD 1080P.
Grande parte dos roteadores WIFI possuem uma banda de 20 Mbits, nestas condições haverá redução de frame rate impostas pela limitação de banda.

É possível empregar equipamentos de outras marcas como entrada ou saída para sistemas da linha Videomart?
Sim, todos os nossos produtos dotados da tecnologia são perfeitamente compatíveis com equipamentos que suportam o NDI, incluindo o Tricaster da Newtek.

Matrox Monarch

Matrox exibirá codificadores para broadcatsers na NAB 2017

O Matrox Monarch HDX permite, por exemplo, realizar a integração de closed captions durante a gravação ou transmissão por streaming

A Matrox exibirá na NAB 2017 algumas de suas soluções voltadas para broadcasters, como o Monarch HDX, produtos para legendagem ao vivo na internet, além de dispositivos H.264 de gravação e transmissão.

O Matrox Monarch HDX é um codificador de dois canais para entrega de vídeo para fluxos de trabalho de grande demanda, como para broadcasters. Ele pode realizar a integração de closed captions durante a gravação ou transmissão em streaming. Ao recuperar os dados de closed captions do SDI VANC, as legendas do produto podem ser transmitidas por streaming para plataformas de vídeo como YouTube e Ustream, servidores de mídia como o Wowza ou para uma variedade de CDNs. Os arquivos MOV/MP4 conservam as legendas que podem ser incluídos nos conteúdos VOD ou arquivados no fluxo de trabalho.

Outro lançamento exclusivo será o codificador Maevex 6150, capaz de capturar, codificar e gravar até quatro entradas em 4K. O equipamento permite transmissão em streaming e gravação de quatro ou mais canais simultaneamente em alta qualidade e baixa taxa de bits, montagem em rack de 1U com densidade dupla. Ele também trabalha com múltiplos protocolos, tem compatibilidade com outros hardwares e softwares para codificação e oferece entrega de conteúdo de vídeo em nuvem, além de ser controlado pelo software PowerStream Plus.

Além disso, a empresa exibirá o Monarch LCS, que possui fácil configuração e pode ser integrado a qualquer sistema de gerenciamento de vídeo (VMS) ou sistema de gerenciamento de leitura (LMS). A aplicação permite a incorporação de vídeo de qualquer câmera SDI ou HDMI, além de conteúdo de apresentações em um computador através de uma conexão HDMI. As entradas podem ser codificadas separadamente ou sincronizadas para seu uso com os players de vídeo multi-stream mais recentes. Além disso, as entradas podem ser combinadas antes da codificação em uma grande variedade de esquemas de produção, incluindo picture-in-picture e side-by-side, para seu uso com players de vídeo padrão.

Os sistemas de escalonamento descentralizado e redução de ruído garantem que os codificadores recebam apenas imagens cristalinas. Para o streaming, o dispositivo usa os protocolos RTSP e RTMP para oferecer transmissões ao vivo para servidores locais como CDNs na nuvem. Em aplicações de gravação, o Monarch LCS permite a gravação de arquivos MP4 ou MOV diretamente à drives da rede, eliminando a necessidade de transferência de arquivos pós-leitura, ou em cartões SD e drives USB.

Já o Monarch HD é ideal para instalações simples com um única entrada HDMI necessária para ser transmitida pelo Facebook Live ou pelo YouTube Live enquanto é realizada a gravação em alta qualidade para edição posterior. O dispositivo utiliza a entrada HDMI e gera um stream codificado com protocolos IP (RTSP ou RTMP). Codificando o vídeo com uma taxa de bitrates compatível para o streaming ao vivo, o Monarch HD grava um arquivo em alta qualidade (MP4 ou MOV) para um cartão SD, um pen drive ou uma unidade em rede.

 

Fonte: Panorama Audiovisual

SONY 4K PTZ

Sony PTZ – Do HD para 4K

A BRC-X1000 é o primeiro modelo 4k da linha BRC  de câmeras robóticas da Sony. Ideal para pequenas e médias empresas de produção de conteúdo audiovisual, aplicações em templos e igrejas, educação, hospitais e governamentais, além de poder ser uma solução eficiente para grandes instalações, já que pode ser controlado remotamente.  Há também uma versão Full HD, a BRC-H800, com um único sensor CMOS Exmor R.

As câmeras remotas BRC da Sony são famosas por sua respostas super rápidas e ultra silenciosas. Você pode girar e inclinar até 60 ° por segundo. No entanto, essas câmeras são igualmente hábeis em movimentos lentos: até um quase imperceptível, livre de vibração 0,3 ° por segundo. A Sony facilita a execução dos seus programas com 16 predefinições de localização. Para transições de aparência profissional, você pode misturar perfeitamente movimentos de pan, tilt e zoom com os recursos PTZ Trace Memory e PTZ Motion Sync (através da atualização gratuita de firmware, prevista para 2017).

Com a BRC-X1000 pan tilt zoom câmera é possível a emissão Full HD, e depois alternar para 4K nativo (3840 x 2160). O sensor especial de uma polegada Exmor R ™ CMOS da Sony tem quatro vezes a superfície de detecção de luz de típicos chips de imagem PTZ, para que você obtenha uma grande sensibilidade. Pan e tilt são excepcionalmente suaves e ultra-silencioso. O zoom óptico de 12x estende-se a 18x em 4K (24x em HD) graças à tecnologia Clear Image Zoom da Sony. E você pode fornecer Power over Ethernet para instalação fácil e flexível.

 

BRC-X1000-sony

BRC-X1000 (4K) e BRC-H800 (FullHD)

Das salas de reportagens de televisão aos estúdios remotos, suites ao ar, auditórios, comunidades religiosas, tribunais e estádios, o BRC-X1000 e H800 são projetados para trabalhar em seu mundo. As saídas incluem 3G-SDI (x2) e HDMI®. Você pode operar pan, tilt e zoom por remoto infravermelho sem fio, pelo conhecido protocolo RS-422 VISCA® ou por VISCA sobre IP. Outras características incluem genlock e dual tally lâmpadas.
As câmeras também funcionam perfeitamente com o controlador remoto Sony RM-IP10 IP e acessível ao  ultra compacto switcher de vídeo MCX-500.

 

Principais Características

As câmeras PTZ típicas usam sensores de 1/2 polegadas. Alguns modelos usam tipos 1 / 2.3 ainda menores. BRC-X1000 e H800 da Sony quebram o molde com um sensor de uma polegada cheio. E isso faz toda a diferença. O X1000 oferece resolução 4K Ultra HD (3840 x 2160) a 30p e imagens Full HD a 60p sem sacrificar a sensibilidade de baixa luminosidade, o sensor design, iluminação mínima é um impressionante 1,7 lux – perfeito para aplicações de pouca luz.

Para uma instalação rápida e fácil, o BRC-X1000 e o H800 suportam a capacidade PoE +, que transporta o controle IP e o poder sobre um único cabo Ethernet. O controle IP também reduz a desordem e o custo, permitindo que um único operador controle várias câmeras.

Para um melhor aproveitamento do sensor de uma polegada a lente escolhida foi o zoom óptico Carl Zeiss® Vario-Sonnar® 12x com os revestimentos Zeiss T * que minimizam o brilho. A objectiva começa num ângulo de visão horizontal ultra-largo de 64,6 °. Quando chegar ao teleobjetiva, a câmara transita perfeitamente para o exclusivo algoritmo de zoom de imagem da Sony para até 18x (4K) e 24x (HD). O algoritmo da Sony utiliza a incrível resolução do sensor, além de um banco de dados de imagem proprietário, que supera amplamente o zoom digital comum.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Nova versão do sistema operacional da URSA Mini

Atualização traz uma interface totalmente remodelada para fácil configuração e operação

A Blackmagic Design anuncia a disponibilidade ao mercado do Blackmagic Camera 4.0 Public Beta, uma nova versão para o sistema operacional da URSA Mini.

Desde que foi anunciado na NAB deste ano, os engenheiros da fabricante estiveram trabalhando próximos à cineastas e diretores de fotografia para desenvolver um novo sistema operacional para o modelo. Segundo o comunicado à imprensa, a atualização oferece “uma interface que revoluciona a maneira de como os usuários interagem com o equipamento e utilizam câmeras digitais”.

A versão beta do novo sistema substitui os menus multiníveis e milhares de botões, por uma interface elegante, projetada para colocar as funções mais importantes e frequentemente utilizadas na ponta dos dedos do operador. Por exemplo, o novo “heads up display” reduz dramaticamente o número de menus e submenus que era preciso para encontrar comandos e configurações específicas.

Isso significa que usuários podem agora, rapidamente, modificar funções como ISO, white balance, shutter angle, iris, frame rate, frame guides, entre outros, sem ter que navegar entre diversos menus.

Os usuários ainda podem alternar rapidamente e voltar atrás entre configurações diferentes, permitindo que tentem diferentes combinações em tempo real. Podem também salvar e carregar presets para diferentes situações de filmagem e salvá-los num cartão para utilizá-los em outras câmeras.

Além disso, a nova versão oferece balanço de branco padrão e opções de presets, juntamente com as configurações de controle de tonalidade. Os usuários também terão uma precisa seleção do shutter angle, incluindo um largo teclado de fácil utilização na tela para entradas rápidas de configurações. Ao inserir o ângulo do obturador, o novo sistema operacional oferecerá sugestões de ângulo “flicker free” para auxiliar o operador de câmera. Essas sugestões são automaticamente calculadas baseadas no frame rate e sistema elétrico (50Hz ou 60Hz).

Ferramentas de exposição “false color” foram adicionadas para facilitar a definição correta de exposição. Quando a ferramenta é utilizada, intervalos específicos de luminância da imagem mostrarão uma sobreposição de cores. Por exemplo, verde indicando o cinza neutro, enquanto tons de rosa são boas referências para a pele. O recurso auxilia o operador de câmera a manter a consistência de tomada a tomada, e economiza tempo na pós-produção para correção de cores e finalização.

Os usuários agora podem ajustar a cor para camadas sobrepostas de “focus assist”, ou podem escolher usar as tradicionais ferramentas “focus peaking” que destacam áreas de uma imagem mais nítidas.

Para inserir os metadados nas câmeras, o novo sistema operacional oferece uma nova página “slate” que pode ser acessada facilmente tocando do lado esquerdo ou direito da tela. Isso trará um “slate” para ambas as tomadas e de todo o projeto. Além disso, a inserção é simplificada pelo uso de sugestões de entrada preditiva, com um dicionário pré-carregado com os termos mais comuns para que as informações possam ser aplicadas a tags com um simples toque. Por exemplo, se o usuário parar e continuar uma gravação, o take será automaticamente incrementado. Se aumentar o número de cenas, o shot e o take serão redefinidos automaticamente para 1.

Além disso, os metadados de lentes eletrônicas são automaticamente lidos ou podem ser inseridos manualmente, junto com informações específicas de produção e informações técnicas. Todos os metadados serão salvos com os arquivos e podem ser utilizados por software como o DaVinci Resolve para edição e correção de cores.

Para simplificar ainda mais a configuração e utilização da câmera, todas as outras configurações estão localizadas em cinco guias de fácil acesso: Record, Monitor, Audio, Setup, Presets e LUTS. A aba Record deixa o usuário rapidamente selecionar codecs, qualidade e resolução, ao mesmo tempo que configura o dynamic range, frame rates, sensor windowing e outros aspectos.

A aba Monitor, por sua vez, permite que os usuários decidam o que é mostrado no LCD principal, e qual é a saída na parte frontal e SDI principal. Isso pode incluir qualquer configuração de feeds limpos até feeds com LUTs, frame guides, entre outros. Os usuários também podem enviar diferentes status de texto para a fotografia ou o diretor por diferentes saídas conforme necessário. O novo sistema também adiciona um recurso de correção de distorção de lentes anamórficas 1,33x e 2.x para monitoramento.

Com a aba Audio, os usuários podem ter acesso rápido às configurações de níveis de áudio e realizar todo o controle de entrada, como níveis para o microfone interno, speaker e volume de headphone e filtro low cut, por exemplo.

A nova aba de configuração (setup) fornece acesso às configurações básicas da câmera, bem como a capacidade de personalizar e programar os botões físicos externos F1 e F2 na câmera. Botões de funções podem disparar presets, ser utilizados como botões cima/baixo ou escolher característica específica on e off. Além disso, o novo sistema pode ter até seis predefinições carregadas, que podem ser carregadas, salvas, exportadas e importadas da aba de Presets.

Na aba LUTS, por fim, o usuário poderá importar, exportar, gerenciar e deletar 3D LUTs. O LUTs pode ser atribuído e mostrado no LCD ou frente e saídas principais SDI, independentemente.

Além de todas as melhorias para a URSA Mini, o sistema também aumenta a performance do Blackmagic URSA Viewfinder. Os usuários terão uma melhoria na colorimetria, com um aumento da sensitividade do sensor de proximidade e configurações timeout.

Além disso, o Blackmagic URSA Viewfinder agora suporta o novo sistema de controle URSA Mini de metadados, novos frame guides, safe areas, grids e itens de menu para configurações de sobreposição.

Fonte: Panorama Audiovisual

I-Movix anuncia versão wireless do X10 UHD

Sistema será exibido pela primeira vez no IBC 2016, juntamente com o Infinite

A I-Movix anunciou uma nova versão do seu sistema de ultra slowmotion com capacidades de operar em modo sem fio, o X10 UHD RF. A nova proposta permite a comunicação com equipamentos RF padrões do mercado para oferecer imagens até Full HD 1080p em modo de ultra câmera lenta (1975 fps) em produções esportivas.

Com um tamanho leve e de fácil operação, o X10 UHD RF está disponível com uma variedade de soluções wireless, como o Vislink Gigawave ClipOn4, o Vislink Link L1700 e o Cobham para permitir dois modos de operação: com controle realizado remotamente diretamente da unidade móvel ou com o controle local em modo autônomo quando o canal de dados não estiver disponível na UM. No segundo caso, um cameraman precisa estar operando a câmera por si mesmo e enviar os replays de video para a UM através da conexão sem fio de vídeo.

O novo dispositivo será destaque da empresa no IBC 2016, juntamente com o seu inovador Infinite. Lançado no NAB deste ano, o dispositivo é o primeiro sistema a oferecer gravação de loop contínua on-board de mais de uma hora em altas taxas de frame (500fps) e em HD sem a necessidade de ativação do ultra slowmotion – e sem compensação ou interpolação – para oferecer câmera lenta de 16 a 20 vezes a velocidade real.

Baseado na câmera Phantom Flex4K da Vision Research e na plataforma X10 da I-Movix, o Infinite pode operar em uma variedade de modos para atender às mais diversas necessidades, tanto técnicas como financeiras Nesta edição do IBC, a empresa também mostrará a possibilidade de utilizar a câmera Phantom v642 como base do sistema para oferece um ultra slow motion de 2560 fps em qualidade Full HD 1080p.

GoPro lança sua proposta para realidade virtual

Chamado de Omni, o ecossistema integra soluções para criação, gestão e entrega de conteúdo em 360º

A GoPro anuncia a disponibilidade da sua proposta para criação de vídeos em realidade virtual, o Omni. Muito mais do que um simples rig de câmeras, o Omni é uma proposta de ecossistema, composto de hardware e software, para permitir que criadores de conteúdo capturem e publiquem conteúdo de maneira muito mais rápida e com alta qualidade.

Na ponta inicial da cadeia, está a unidade de captura: um rig de seis câmeras Hero4 Black, com um mecanismo de sincronização automático por pixel que permite que o conjunto aja como uma única câmera. Basta definir a câmera primária, fazer os ajustes necessários nela e todas as restantes irão se alinhar no mesmo modo.

O dispositivo também incorpora recursos para permitir que o usuário se foque nos aspectos criativos ao permitir a gravação apenas quando todos os sistemas estão alinhados e todos os cartões SD estão funcionando, evitando que gravações completas sejam perdidas por uma falha técnica.

Com uma construção de alumínio robusto, o Omni possui um design modular e versátil para melhorar a dissipação de calor e permitir que as peças sejam trocadas caso haja algum defeito. Com um pack externo de bateria incluso na versão completa do sistema, o kit ainda permite que o usuário retire as baterias das câmeras Hero4 Black para diminuir ainda mais a geração de calor.

Para facilitar a transferência de arquivos e gerenciamento do conteúdo, o rig oferece metadados específicos para que, quando os cartões SDs forem conectado ao hub USB, eles possam ser reconhecidos e organizados de maneira automática em um sistema de armazenamento nativo.

Omni Importer

Para lidar com as diversas gravações, o ecossistema oferece o Omni Importer, um recurso incluído de forma gratuita no software Autopano Video (AVP) 2.5 para fazer a importação e o stiching automático do conteúdo.

Funcionando apenas com vídeos capturados pelo rig da GoPro, o Importer permite que o usuário pré-visualize o conteúdo gravado em baixa resolução e o exporte em resoluções desde 2K até 8K. Além disso, para acelerar o processo de preparação do material, é possível selecionar apenas algumas partes da filmagem para a renderização.

O profissional também pode renomear os arquivos diretamente na interface do Importer, realizar correção de cor em três níveis (baixo , médio e alto) e habilitar/desabiltiar a estabilização de imagem óptica.

Com o Importer realizando de 90 a 100% do trabalho de stitching, é possível se focar mais nos aspectos criativos da produção, utilizando os diversos plugins de editores não-lineares para, inclusive, visualizar o conteúdo com um óculos de realidade virtual, como o Oculus Rift.

Outro recurso interessante é o plugin chamado “reframe”. A partir dele, o usuário pode criar um vídeo em 2D utilizando o conteúdo capturado em 360º e acompanhando a ação conforme o diretor queira.

Player específico

Para completar o ecossistema, a GoPro também está lançando um player gratuito específico para vídeos em realidade virtual. Disponível na plataforma https://vr.gopro.com e no aplicativo da GoPro para dispositivos móveis, o player é otimizado para conteúdo em 360º e oferece o recurso conhecido como “Little Planet”. Veja no vídeo abaixo: basta afastar a imagem, reduzindo ao máximo o seu tamanho e apontar para baixo.

Fonte: Panorama Audiovisual

Conheça os tipos de lentes para câmeras DSLR

A pergunta que permeia a mente daqueles que compram sua primeira câmera DSLR, na maioria, envolve qual o primeiro tipo de lente que deve ser comprada. Apesar de muitas câmeras digitais já possuírem modelos que compõem seus kits, a ânsia em comprar sua primeira lente é inevitável para fotógrafos de primeira viagem.

Abaixo você confere um pequeno guia sobre os tipos de lentes, suas funcionalidades e indicação de uso.

Lentes Prime ou Foco Fixo

As principais características deste tipo de lente são a qualidade, leveza e preço. Por não possuírem zoom, as lentes prime resultam em imagens com qualidade superior, ou seja, com menos distorção na imagem. Outro fator que influencia na qualidade das fotografias são as aberturas das lentes, no caso da prime podem atingir níveis superiores a f/2.8, o que torna este tipo de lente ideal para ambientes fechados e retratos.

CANON EF 50MM F/1.4 USM (Foto: Reprodução)
Lente Canon EF 50mm F/1.4 USM

Favorita dos fotógrafos, a Lente 50mm indicada para quem deseja adquirir uma lente prime.
techtudo-lente-prime-f1-4-Ozw3l-FlickrFotografia com lente prime tem abertura que varia entre: f1 e 4

Lentes Zoom

Nikon 18-200mm VR (Foto: Divulgação)
Lente Nikon 18-200mm DX VR

Como o próprio nome diz, a lente zoom são indicadas para aqueles que não querem (ou não conseguem) chegar tão perto do conteúdo central da fotografia.

Usadas para fotografar vida animal, esportes ou paparazzi, as lentes zoom são pesadas e muitas vezes exigem o uso de um monopé como suporte.

Outro fator que deve ser observados nas fotografias com lente zoom é a velocidade do obturador. Por serem compridas, estas lentes exigem uma velocidade elevada ou suas fotos sairão tremidas.

Apesar de mais serem mais caras, quando optar pela compra de uma lente deste modelo, vale considerar aquelas que possuem estabilizador interno.

techtudo-lente-zoom-victorvharo-Flickr
Lente zoom da Nikon varia entre 18 e 200mm (Foto: Victor Vasques).

Lentes Grande angular

As lentes grande angulares são ideais para fotografar em ambientes pequenos ou criar imagens em que você precisa de mais cena. Há muita variedade de lentes grande angulares no mercado. As fabricantes (Nikon, Canon, Sony) colocaram no mercado lentes que variam entre 28mm e 50mm.

Nikon 28mm (Foto: Divulgação)
Lente Nikon 28mm

Olho de peixe

Outra lente bem específica e de grande ângulo é a olho de peixe (fisheye), indicada para situações determinadas em que se quer um toque mais artístico.

Nikon AF DX Fisheye-Nikkor 10.5mm f/2.8G ED  (Foto: Divulgação)
Lente Nikon AF DX Fisheye-Nikkor 10.5mm f/2.8G ED

Essas lentes conseguem registrar tudo em um raio de 180 graus.

São voltadas para fotografias de arte, por causa do efeito arrendondado que provoca na foto.

techtudo-lente-fisheye-bigwavedave42-Flickr
Fotografia feita com uma lente fisheye (Foto: Victor Vasques).

Lente macro

Existem diversas formas de produzir uma fotografia macro, entre elas diversos suportes e funcionalidades integradas em outros tipos de lentes para câmeras, mas apenas aquelas com formato macro “legítimas”(ou seja, com proporção 1:1) podem criar closes com qualidade e nitidez de um trabalho profissional.

Canon EF-S 60mm f/2.8 Macro USM Digital (Foto: Divulgação)
Lente Canon EF-S 60mm f2.8 Macro USM

Indicadas para fotografar objetos pequenos, as lentes macros são de foco fixo e variam entre 40mm e 200mm, dependendo da marca fabricante.

Se o objetivo é produzir fotos como a da imagem abaixo, vale a pena investir em uma lente macro de qualidade, como a Lente Canon EF-S 60mm Macro ou a Lente Nikon 55mm.  .

techtudo-lente-macro-Konstantin-Sutyagin-Flickr
Imagem feita com lente macro, específica para capturar motivos a 1cm de distância

Fonte: Techtudo

Atualização do Duplicator 4K melhora reprodução das gravações

Versão 1.0.2 aumenta compatibilidade e performance ao reproduzir conteúdo H.265, além de aperfeiçoar sincronização e diminuir delay

Menos de um mês após o anúncio da disponibilidade no Brasil do Duplicator 4K, a Blackmagic Design já traz atualizações para o dispositivo. A versão 1.0.2 aumenta a performance dos arquivos H.265 nos dispositivos de reprodução.

Desde o lançamento do Blackmagic Duplicator 4K, novos dispositivos de reprodução foram lançados e os consumidores já estão fornecendo um feedback sobre o desempenho de reprodução dos arquivos gravados com a solução. Estas informações estão sendo utilizadas para melhorar o codec do Blackmagic Duplicator 4K e esta atualização fornece essa melhoria para todos os usuários que adquiriram a solução.

A novidade traz melhorias também na sincronização de áudio e vídeo em todas as gravações, especialmente nas mais longas e quando se grava arquivos múltiplos com recurso de registro de acréscimo. Reduz também o delay para detectar um novo sinal de vídeo para que a gravação se inicie mais rápido. Com isso, os usuário terão uma melhoria na comunicação quando múltiplos Duplicator são conectados para a gravação de mais de 25 cópias ao mesmo tempo.

“Os clientes adoraram o novo Blackmagic Duplicator 4K e forneceram um feedback diretamente para os engenheiros da Blackmagic Design”, diz Grant Petty, CEO da Blackmagic Design. “Essa atualização permite que os usuários criem arquivos MP4 compatíveis com televisores de tela grande, computadores e outros dispositivos de reprodução de forma mais fácil do que nunca”, ressalta.

Fonte: Panorama Audiovisual

Estabilizador de câmera: conheça cinco modelos

O estabilizador de câmera é um acessório que ajuda a deixar os movimentos das imagens mais suaves e menos tremidas. A vantagem de utilizar o acessório é que você fotografa ou filma imagens perfeitas com o uso mínimo de equipamentos. A forma como eles funcionam é a partir de um princípio simples: mobilidade do centro de gravidade da câmera para um ponto mais alto acima da mão, fazendo com que as imagens sejam mais estáveis e menos distorcidas.

As opções à venda no Brasil são bastante variadas, mas é possível encontrar equipamentos bons, de fácil manuseio e com preços acessíveis. Confira a lista com cinco tipos de estabilizadores para usar com câmeras DSLR e action cams, como GoPro.

Steadicam Curve – R$ 120

Modelo para GoPro pesa apenas 300g e possui mobilidade de 360º (Foto: Divulgação/Steadicam Curve)
Modelo para GoPro pesa apenas 300g e possui mobilidade de 360º (Foto: Divulgação/Steadicam Curve)

O Steadicam Curve é um estabilizador de imagem criado especialmente para a GoPro. O acessório pesa apenas 300g e possui uma mobilidade de 360º, o que garante uma ampla gama de opções de disparos na câmera, além de uma filmagem panorâmica.

Feito de alumínio de alta qualidade, o estabilizador é coberto de um revestimento preto, que também está disponível nas cores azul, vermelho ou prata.

Vivitar Action Sport Grip (VPT-200)

Estabilizador de imagem Action Sport Grip é indicado para esportes de ação (Foto: Divulgação/Vivitar )
Estabilizador de imagem Action Sport Grip é indicado para esportes de ação (Foto: Divulgação/Vivitar )

O estabilizador de imagens Action Sport Grip, da Vivitar, é indicado para esportes de ação, principalmente se a sua intenção também for gravar um vídeo durante a atividade. Além de pesar em torno de 400g, o acessório possui um hand-grip com espuma acolchoada e base de borracha antiderrapante, tornando a utilização do modelo conveniente e confortável.

Este produto é focado em câmeras DSLR e conta com um adaptador de sapata na parte da frente do punho, permitindo conectar um microfone, flash, ou luz de vídeo.

Gaz Stabil 

Gaz Stabil pesa apenas 380g e é capaz de sustentar câmeras de até 1,6 kg (Foto: Divulgação/Gaz Equipamentos)
Gaz Stabil pesa apenas 380g e é capaz de sustentar câmeras de até 1,6 kg (Foto: Divulgação/Gaz Equipamentos)

Criado pela Gaz Equipamentos, o Gaz Stabil trata-se de um estabilizador de imagem do tipo híbrido, ou seja, trabalha por meio da articulação normalmente utilizada em estabilizadores de arco, mas com a construção ao estilo glide. Com apenas 380 gramas, o acessório é capaz de sustentar câmeras até de 1,6 kg e trabalha com articulação plástica de baixo atrito, que são ligadas ao arco por meio de rolamentos.

O Gaz Stabil também pode ser utilizado com coletes e braços articulados, além de ter compatibilidade com iluminadores, grip ou microfones. Também conta com uma manopla em espuma emborrachada para evitar escorregões.

Linecam HD-1000 GTek

Linecam HD 1000 GTek é de alumínio e pesa cerca de 1,6 Kg (Foto: Divulgação / GTek)
Linecam HD 1000 é de alumínio e pesa cerca de 1,6 kg (Foto: Divulgação/GTek)

O Linecam HD-1000 GTek é um estabilizador que pode ser utilizado na captação de imagens por câmeras fotográficas ou filmadoras. O acessório pesa 1,6 kg, é feito de alumínio e possui o sistema gimbal de rolamento. Suportando equipamentos de 200 gramas até 2,5 kg, o Linecam também pode ser utilizado com iluminadores, grip de baterias e microfone.

O estabilizador traz ainda botões de fixação e o hand-grip espumado, que evita que a mão escorregue. Voltado para câmeras DSLR, nada impede que o usuário também compre adaptadores para GoPro e outras action cams.

Maxi Grua Cage 125 

Acessório conta com sapata universal para encaixe de microfones, flash e leds (Foto: Divulgação/MaxiGrua)
Acessório conta com sapata universal para encaixe de microfones, flash e leds (Foto: Divulgação/MaxiGrua)

Criado especialmente para câmeras DSLR, a Maxi Grua Cage 125 foi produzida toda em alumínio, o que ajuda o acessório a ficar mais leve. Pesando cerca de 660 gramas, o estabilizador conta com uma sapata universal para encaixe de microfones, flashes e leds.

Outra funcionalidade é a facilidade da troca de bateria, que pode ser feita sem remover a câmera do estabilizador, como acontece em muitos acessórios. A Cage 125 possui ainda um hand-grip lateral, que ajuda mais ainda na estabilidade das imagens.

Fonte: Techtudo

Blackmagic Design em grande campeonato de eSports

Soluções da fabricante foram usadas para combinar e monitorar sinais de 28 câmeras, as dez telas dos PCs e grafismos no The Manila Major, competição de Dota 2 que distribui US$ 3 milhões em premiação

A Blackmagic Design anunciou que suas soluções foram escolhidas para a produção ao vivo de um dos mais disputados campeonato de eSports do mundo, o Manila Major, deste ano. O torneio de seis dias, que reuniu dezesseis times de elite do jogo Dota 2 batalhando por um prêmio de US$ 3 milhões, foi produzido pela PGLeSports e acontece no Mall of Asia Arena, com milhares de espectadores tanto no local quanto online.

A infraestrutura para essa produção é digna de um megaevento: com 28 câmeras e uma dezena de telas de computadores para serem transmitidas ao mesmo tempo, a PGL precisou desenvolver uma solução para poder captar toda a ação do jogo e a emoção da plateia e dos comentaristas.

Para isso, o fluxo de produção foi divido em quatro frentes, cada um dos quais com um switcher ATEM 2 M/E Broadcast Studio 4K como centro da produção. Essas quatro frentes de produção foram conectadas à um switcher central e matriz Smart Videohub 40×40, de onde foram feitos os cortes para a transmissão.

Vlad Petrescu, chefe de transmissão da PGL, explica que os recursos criativos do ATEM são essenciais para a maneira que eles produzem o conteúdo, visando mostrar as múltiplas ações que acontecem ao mesmo tempo nas diferentes telas. “Além dos tradicionais efeitos de picture in picture, nós criamos um efeito que mostra as três lanes [termo utilizado para indicar os caminhos que os personagens devem seguir no jogo] ao mesmo tempo, mostrando a imagem principal juntamente com as telas das outras duas dividindo a tela”.

Os sinais também foram combinados com a solução de grafismos da própria PGL, que usou placas de captura DeckLink para oferecer as estatísticas e pontuações dos jogadores. Todas as entradas de câmeras, computadores e CGI foram padronizados usando os processadores Teranex Express para a resolução 720p59.94 usada na transmissão, antes de serem conectados ao roteador de vídeo central.

A monitoração de sinal foi gerenciada com um pacote de hardware Blackmagic incluindo os monitores de preview SmartView HD, o Audio Monitor e três MultiView 16. “Os MultiView 16 são cruciais para entregar a cobertura do palco com os jogadores: nós não poderíamos monitorar as dez câmeras dos jogadores e fazer o ingest de todos os feeds de grafismos ao vivo utilizando apenas o ATEM. Ter multiviewers separados tornam a monitoração de toda a ação muito menos oneroso”, explica Vlad.

O stream final foi transmitido para os quatro telões de LED de 16×9 metros e pela plataforma Twitch.tv, além de algumas emissoras como a TV5 em Manila e a Viasat na Polônia.

“Capturar essas jogadas espetaculares que diferenciam um grande jogador de um jogador casual e complementá-los com as reações do público é muito importante”, conclui Vlad. “Conseguir isso no eSports é muito mais complexo que nas transmissões esportivas tradicionais. Os hardware da Blackmagic nos permitiram desenvolver uma solução muito robusta para a produção ao vivo, mas de uma maneira que é realmente fácil de operar em um ambiente tão exigente”.

Fonte: Panorama Audiovisual


Post navigation