Ericsson e Sprint realizam demonstração real das possibilidades do 5G no ambiente esportivo

Tecnologia permitiu a transmissão de vídeo UHD com estatísticas de uma bola “conectada” para as telas da Fan Zone em estádio dos EUA

A Ericsson e a Sprint, proprietária da terceira maior operadora dos Estados Unidos, realizaram uma demonstração real das possibilidades da conectividade 5G no ambiente esportivo. No Fan Zone da Sprint no estádio Lincoln Financial Field da Filadélfia, os visitantes puderam competir chutando uma bola de futebol “conectada”.

A bola transmitia informações e estatísticas, juntamente com o vídeo UHD do chute, ao vivo e em tempo real, para as telas do local, utilizando sinal de 5G na faixa dos 400 MHz de espectro. Assim, os participantes podiam ver a si mesmos e aos resultados que alcançaram. No futuro, tanto a bola como os jogadores poderão estar conectados, o que permitirá que o público veja informações e análises em tempo real sobre velocidade, rotação e altura da bola, por exemplo. Os comentários também serão mais detalhados, com novos dados e grafismos na tela da televisão.

“Alcançar velocidades de 4 Gbps fora de um laboratório, no estacionamento do Lincoln Financial Field e diante de milhares de fãs é algo emocionante”, diz John Saw, diretor de tecnologia da Sprint. “É uma experiência que nos dá uma grande oportunidade de demonstrar o quão longe chegamos tecnologicamente e porque o 5G será algo importante para os fãs de esporte”, ressalta.

Outra das inovações que a conectividade 5G poderá propiciar é a possibilidade de assistir partidas a partir de novos e privilegiados lugares usando smartphones para se mover entre várias câmeras 360º de realidade virtual em ultra alta definição instaladas pelo estádio. Segundo a Ericsson, o 5G oferecerá capacidade suficiente para que os participantes usem vídeo streaming de alta qualidade e compartilhem imagens panorâmicas dos seus assentos com outras pessoas na mesma partida.

A padronização do 5G ainda vai demorar para estar pronta, mas a tecnologia já progrediu o suficiente para entregar velocidades de gigabytes em ambientes reais. A Ericsson é uma das empresas que liderará esse desenvolvimento, realizando demonstrações como MIMO, beamforming, beam tracking e network slicing.

Fonte: Panorama Audiovisual

Support