Provedores e produtores apostam em adoção em massa da TV UHD 4K até 2020

A adoção em massa da TV UHD 4K deve se dar até 2020. É o que 96% das provedoras de serviços de vídeo e produtoras de conteúdo apontaram em uma pesquisa global da Irdeto com a SNL Kagan.

De acordo com o levantamento, provedores de serviços de vídeo, inclusive operadoras de TV paga e serviços over-the-top (OTT), bem como produtoras de conteúdo, acreditam que um dos fatores mais importantes para as operadoras implementarem a ultra high definition (UHD) 4K é a expectativa de que os consumidores pagarão mais por conteúdo Premium em UHD 4K. A Pesquisa Global do Setor de UHD 4K 2016 constatou que 64% das provedoras de serviços de vídeo e 73% das produtoras de conteúdo acreditam que os consumidores estão dispostos a pagar de 10% a 30% mais por suas assinaturas para ter acesso a conteúdo UHD 4K.

Do total de participantes, 88% disseram que lançarão conteúdo UHD 4K até 2020, sendo que 78% informaram que lançarão conteúdo até 2018, em vista das taxas previstas de adoção pelos consumidores. Além disso, 57% dos participantes indicaram que um fator comercial chave para o 4K é a retenção da titularidade da plataforma residencial. Embora os serviços de OTT estejam liderando a adoção de UHD 4K atualmente, esse resultado indica que as TVs 4K com set-top boxes de operadoras constituirão um forte segmento UHD 4K para as provedoras mais tradicionais de TV por assinatura. “Os OTTs já desempenham um papel importante na popularização do UHD 4K. Operadoras e programadoras precisam acelerar a adoção para manterem-se competitivas com esses serviços”, diz Gabriel Ricardo Hahmann, diretor de vendas da América Latina e do Caribe da Irdeto.

Conteúdo

A pesquisa constatou que, na opinião de 65% das provedoras de serviços de vídeo e produtoras de conteúdo, eventos esportivos ao vivo deverão tornar-se o conteúdo UHD 4K mais popular entre os consumidores. “Nos esportes, as operadoras e programadoras devem se destacar, pois têm o meio mais eficiente para a distribuição em 4K. A maioria das operadoras já lançaram canais 4K nos grandes eventos esportivos para mostrar a tecnologia e implementar a tecnologia de forma consistente até 2020”, diz o executivo.

Outro conteúdo que tem grande apelo são os filmes. O lançamento antecipado de filmes foi apontado por 59% dos participantes como fator importante para o consumo de conteúdo 4K. Segundo Hahmann, a antecipação de lançamentos, ou um encurtamento das janelas, só é possível porque o UHD 4K presume uma segurança maior sobre o conteúdo. “O UHD não é só a questão da definição, luminosidade e mapa de cores. Implica mais tecnologias de proteção. As especificações da Proteção Aprimorada de Conteúdo da MovieLabs, por exemplo, já requisitam proteção em hardware. É necessário um ecossistema que permite o rastreamento do conteúdo e até da pirataria. A antecipação de janelas está relacionada a essa proteção”, explica. Segundo o executivo, na migração para o conteúdo em HD não houve a inclusão de novos requisitos de segurança, o que acabou sendo desastroso. Para ele, o UHD passa a ser um diferencial para a indústria legítima em relação à pirataria, mas não dá para seguir com o mesmo erro cometido no passado.

O efeito dessa exigência por maior proteção por parte dos detentores dos conteúdos é que as operadoras deverão provar que as tecnologias que têm disponíveis atendem esses requisitos. “A maioria dos set-top boxes já tem um chipset seguro, com proteção em hardware, mas o padrão pede investimento no dispositivos do usuário, em tablets Android e iOS, por exemplo”, explica.

Além das tecnologias que permitem que a distribuição do conteúdo por parte de um usuário seja rastreável, é necessário, é necessário contratar um serviço para varrer a Internet constantemente para rastrear a pirataria.

Dispositivos

Ainda de acordo com a pesquisa, com respeito aos aparelhos que impulsionarão a adoção de conteúdo 4K, 70% das provedoras de serviços de vídeo e produtoras de conteúdo dizem que TVs 4K/conectadas serão os aparelhos mais importantes. Contudo, os recursos dos aparelhos e a largura de banda disponível para o fornecimento de conteúdo UHD 4K são duas grandes preocupações para os participantes. Na opinião de 61% dos participantes, a largura de banda disponível terá um impacto potencialmente alto no sucesso do lançamento de conteúdo UHD 4K.

Fonte: Tela Viva